terça-feira, 10 de julho de 2012

Gordura não sai na urina nem nas fezes!

Olá meninas!!

Hoje eu vim tirar uma das grandes duvidas sobre eliminar gordura na urina e nas fezes.

Pois é, tem muitos tratamentos mágicos que estão sendo oferecidos no mercado que prometem remover as gorduras localizadas com o uso de um método baseado na aplicação local de um aparelho que quebraria a célula de gordura liberando o seu conteúdo no espaço intercelular de modo que a gordura livre seria posteriormente eliminada do corpo pela urina e pelas fezes. Errado!!!

Meninas a gordura é um nutriente para o nosso corpo e sendo assim não é eliminada pelos rins, para que isso ocorra, para que um nutriente, como proteína, gordura, glicose, seja eliminado pelo nosso rim através da urina é necessário que haja uma falencia na função renal. Nossos rins funcionam exatamente desta maneira, filtram o sangue eliminando as toxinas e mantendo dentro do organismo as substancias que são essenciais ao nosso metabolismo.

Da mesma maneira o nosso intestino não elimina gordura pelas fezes. O intestino tem a função de absorver os nutrientes dos alimentos e colocá-los dentro da circulação sanguínea disponibilizando os nutrientes para o metabolismo de nosso corpo. Não existe nenhum mecanismo das células intestinais que funcionam da maneira descrita em termos do funcionamento do tratamento em questão, pois não há mecanismo nestas células que façam o transporte da gordura da  circulação sistêmica para o interior do intestino de forma que esta possa ser eliminada.

Até hoje não há nenhum tipo de mecanismo ou processo que faça com que nosso intestino elimine o excesso de gorduras de nosso corpo.

 

Se o intestino e os rins fossesm capaz de eliminar as gorduras não existiriam pessoas obesas.

Toda gordura que atinge a circulação sanguínea ou será metabolizada em energia ou seja,  " queimada", ou será distribuída pelo corpo se transformando em depósito de reserva, ou ainda levada para o fígado, sofrendo ação metabólica e redistribuída.

Referencias Dr  Iversen Ferrante Boscoli.

Um comentário: